Paralímpicos do SC Braga homenageados na Câmara Municipal

14440624_1289193127778538_7453510937723512213_n

Homenagem na Câmara Municipal de Braga, aos heróis do Rio.

Domingos Vieira/Paulo Correia, Mário Peixoto/Alberto Peixoto e José Carlos Macedo/Roberto Mateus, foram homenageados na edilidade bracarense, juntamente com os atletas olímpicos, com a presença das forças vivas da cidade e de muitas personalidades ligadas ao desporto minhoto.

Parabéns à autarquia que soube representar muito bem os sentimentos de todos os bracarenses, bracarenses que querem ver o seu apoio a estes conterrâneos e a todos aqueles que sonham “criar asas para poder voar”, usufruindo do direito de acesso e apoio à atividade física e desportiva sem distinção de condição.

Prestação dos atletas do SC Braga no Rio

Dos 10 atletas que Portugal conseguiu apurar para a sua participação paralímpica na modalidade de Boccia, 3 foram do Sporting Clube de Braga, competindo nas divisões BC3 e BC4, em pares e em individuais: Mário Peixoto (parceiro de competição Alberto Peixoto); José Carlos Macedo (parceiro de competição Roberto Mateus); Domingos Vieira (acompanhante técnico Paulo Correia).

Mário Peixoto teve de ser chamado para substituir o campeão de Portugal, Luís Silva, por motivo de lesão deste último. Portugal só detinha possibilidade de chamar à prova atletas que tivessem ranking internacional pelo que, para além dos atletas já seleccionados, somente estariam em condição de representar o país Mário Peixoto (75º ranking mundial e 5º ranking nacional) e a também bracarense Eunice Raimundo (88º ranking mundial e 8ª ranking nacional).

Mário Peixoto

Assim, Mário Peixoto foi chamado a substituír o lesionado Luís Silva, tendo sido posicionado num grupo de apuramento extremamente exigente, onde tinha como cabeça de grupo a grande esperança da Grã Bretanha, o jovem Patrick Wilson (8º ranking mundial) que tem apresentado uma ascenção meteórica na cena internacional. Ainda, teve de defrontar o Vice-Campeão Mundial, o japonês Kazuki Takahashi (11º ranking mundial).

Os jogos foram extremamente disputados (derrota por 2-4 em ambos), tendo Mário Peixoto apresentado dificuldades na fase inicial (parciais iniciais) mas acabando sempre por melhorar ao longo de cada jogo. De salientar que venceu sempre 2 parciais e perdeu outros 2. Foi decisivo o ter sofrido 2 faltas, uma em cada jogo realizado, muito especialmente no jogo contra o japonês Takahashi, onde em parcial que vencia por 5 pontos após a falta cometida permitiu que o adversário virásse o resultado a favor deste por 1-0. Aspectos que fazem toda a diferença a um nível elevado, onde o controlo dos pormenores ditam o sucesso, ou insucesso.

10613021_941653012546242_313100367109152856_n

Domingos Vieira (9º ranking mundial) apresentou-se num grupo de apuramento extraordinariamente difícil.

O arsenalista teve de defrontar o coreano Hyeonseok Seo (8º ranking mundial), tendo vencido 2 parciais e perdido outros tantos. Apesar do equilíbrio nos parciais, o coreano levou de vencida o nosso guerreiro do minho por 3-5, com os parciais de 0-4; 2-0; 0-1; 1-0. De seguida defrontou o nº 1 do ranking mundial, Yuk Wing Leung de Hong Kong. Previa-se um jogo muito difícil para o nosso atleta, mas podemos verificar que perdeu 2 parciais e venceu outros 2 parciais, o que evidencia um jogo equilibrado (0-4; 0-1; 1-0; 2-0).

Por último venceu o grego Chrysi Morfi-Metzou (32º ranking mundial) por 6-1, mas já não foi suficiente para garantir o apuramento para os 1/4 de final. De salientar que Yuk Wing Leung (Hong Kong) acabou por sagrar-se campeão paralímpico e que o coreano Hyeonseok Seo posicionou-se na 4ª posição final da prova.

Sem dúvida que Domingos Vieira teve uma brilhante prestação, ao ter cumprido com o atleta grego e ter discutido a vitória com o atual campeão paralímpico e com o derrotado da discussão para a medalha de bronze.

12742618_1083776108340522_6268400815061662640_n

José Carlos Macedo alcançou a medalha de bronze. Venceu o coreano Han Soo Kim, após um jogo difícil e de desfecho imprevisível que teve de ser decidido através de parcial de desempate após ter-se registado um empate (5-5) no final dos 4 parciais (4-0; 0-2; 1-0; 0-3).

O atleta bracarense (6º ranking mundial) somou 4 vitórias no seu percurso até ao bronze paralímpico, vencendo o canadiano Bruno Garneau (43º ranking mundial), a anterior campeã paralímpica Ye Jin Choi (Coreia do Sul; 13ª ranking mundial), a sueca Maria Bjurstrom (14ª ranking mundial), nos 1/4 de final, e Han Soo Kim (2º ranking mundial) para a medalha de bronze. Nesta prova, José Carlos Macedo só foi batido por Ho Won Jeong (nº 1 do ranking mundial e o atual campeão mundial) que acabou por sagrar-se campeão paralímpico após bater o nº 3 do ranking mundial, o grego Grigorios Polychronidis.

doc1-page-001

José Carlos Macedo detém um currículo fantástico ao nível paralímpico, tendo obtido 2 medalhas de ouro em Atlanta’1996, 1 medalha de ouro em Sidney’2000, 1 medalha de bronze e 1 medalha de prata em Londres’2012, e agora junta mais uma medalha de bronze no Rio’2016, perfazendo um total de 6 medalhas em 5 participações.

14224839_1530032350347644_4236072341652866012_n

Em pares BC3, Portugal contou com a participação dos bracarenses José Carlos Macedo e Mário Peixoto. José Carlos Macedo entrou a jogar em todos os jogos, enquanto que Mário Peixoto somente entrou a meio do segundo jogo. Juntamente com os nossos atletas fez parte do par o atleta da ARDA Porto, Armando Costa.

Portugal apresentou-se como o 3º do ranking mundial, logo atrás da Coreia e da Grécia. No seu grupo de apuramento, Portugal defrontou a Grécia (2ª Ranking Mundial), a Grã Bretanha (6ª Ranking Mundial) e Singapura (7ª Ranking Mundial).

Portugal entrou bem no primeiro jogo tendo vencido a Grã Bretanha por um renhido 4-3, com parciais de 0-3, 2-0, 1-0, 1-0. No jogo seguinte foi derrotado pela 3ª potência da Ásia (Singapura) por 1-5, com os parciais de 0-1, 0-2, 1-0, 0-2. Com a Grécia somou nova derrota por 2-5, com os parciais de 0-4, 0-1, 1-0, 1-0. Desta forma não conseguiu o apuramento para as 1/2 finais diretas.

Realçamos que Portugal tem apresentado dificuldades nos últimos anos nesta divisão. Neste ano (2016) foi 5º lugar no Open da Póvoa, atrás da Rússia, França, Grã Bretanha e Suécia. Na Colômbia, 2015, apesar de ter disputado a final com a França, que perdeu, apresentou extremas dificuldades para vencer a Espanha nos 1/4 de final (4-3); extremas dificuldades para vencer a Rússia nas 1/2 finais (3-2); tendo ainda sido 2º na pool, atrás da França e ter evidenciado dificuldades com a Suécia (3-2). No Campeonato da Europa de Pares (2015) foi 3º no grupo, atrás da Grécia e Espanha, apesar de todos terem ficado empatados em pontos, posicionando-se em 5º lugar final da prova. Em Poznan (2015), foi 1º à frente da Grécia, com dificuldades perante a Espanha (3-2); com a França (4-3) – 1/4 de final; Suécia (4-1) – 1/2 final; vencendo a Grécia na final por 3-2. Em Portugal, 2014, perdeu com a França na pool (5-5) e com a Suécia (2-4), não tendo conseguido passar a fase de grupos.

11167784_614656302008725_2987488798620156372_n

Em pares BC4, Domingos Vieira com os atletas do FC Porto Pedro Clara e Carla Oliveira tiveram uma tarefa hercúlea. Depois de um apuramento muito sofrido, e conseguido graças ao afastamento do 8º país do ranking, a Hungria, por irregularidades com os seus atletas, Portugal reassumiu a responsabilidade de estar ao mais alto nível. Porém, o grupo de apuramento contou com Hong Kong (1ª do Rank Mundial), com a Vice-Campeã Europeia  e 4ª do ranking mundial (Grã Bretanha) e com a Campeã Europeia e 5ª do ranking mundial (Eslováquia).

11221282_1264287316922150_5179246867770328140_n

Portugal discutiu com Hong Kong (2-6, com os parciais de 1-0; 0-2; 1-0; 0-4), apresentou extremas dificuldades com a Grã Bretanha (4-11, com os parciais de 0-4; 2-0; 0-6; 2-1), e com a Eslováquia (4-8, com os parciais de 0-5; 0-1; 0-2; 4-0).

A todos os nossos atletas e aos seus parceiros de competição e acompanhante, a secção de desporto adaptado – Boccia quer deixar o mais elevado reconhecimento pela prestação nos Jogos Paralímpicos do Rio’2016, mais ainda por todo o trabalho realizado ao longo deste ciclo, 4 anos, e por terem representado o clube e a seleção nacional com a mais alta distinção, com elevada dignidade e espírito competitivo e desportivo.

 

 

 

 

 

Macedo de Bronze no Rio’2016

14358767_1191191067605736_5541313218446073485_n

José Carlos Macedo alcançou a medalha de bronze nos jogos paralímpicos do Rio’2016. O atleta do Sporting Clube de Braga venceu o coreano Han Soo Kim, após um jogo difícil e de desfecho imprevisível que teve de ser decidido através de parcial de desempate após ter-se registado um empate (5-5) no final dos 4 parciais (4-0; 0-2; 1-0; 0-3).

O atleta bracarense (6º ranking mundial) somou 4 vitórias no seu percurso até ao bronze paralímpico, vencendo o canadiano Bruno Garneau (43º ranking mundial), a anterior campeã paralímpica Ye Jin Choi (Coreia do Sul; 13ª ranking mundial), a sueca Maria Bjurstrom (14ª ranking mundial), nos 1/4 de final, e Han Soo Kim (2º ranking mundial) para a medalha de bronze. Nesta prova, José Carlos Macedo só foi batido por Ho Won Jeong (nº 1 do ranking mundial e o atual campeão mundial) que acabou por sagrar-se campeão paralímpico após bater o nº 3 do ranking mundial, o grego Grigorios Polychronidis.

doc1-page-001

José Carlos Macedo detém um currículo fantástico ao nível paralímpico, tendo obtido 2 medalhas de ouro em Atlanta’1996, 1 medalha de ouro em Sidney’2000, 1 medalha de bronze e 1 medalha de prata em Londres’2012, e agora junta mais uma medalha de bronze no Rio’2016, perfazendo um total de 6 medalhas em 5 participações.

Toda a secção de desporto adaptado – Boccia do Sporting Clube de Braga quer parabenizar o atleta José Carlos Macedo e o seu parceiro de competição Roberto Mateus, pelo extraordinário trabalho, dedicação, esforço, e enorme qualidade desportiva e humana que souberam demonstrar neste longo percurso de um ciclo paralímpico de 4 anos que agora se encerra.

É que uma medalha não somente se merece, mas essencialmente se conquista…todos os dias.

parabens

Boccia Portugal…preste a sambar no Rio

14224839_1530032350347644_4236072341652866012_n

Prestes a iniciar a maior competição de Boccia dos últimos 4 anos, aquela para a qual os atletas de elite mundial e seus países lutaram para conseguir estar presentes e partilhar este momento com os melhores da modalidade.

Portugal apresenta 10 atletas, 9 dos quais prestarão provas a nível individual e participando ainda em pares e equipa.

Em pares BC3 Portugal apresenta-se como o 3º do ranking mundial, logo atrás da Coreia e da Grécia. No seu grupo de apuramento, Portugal defrontará a Grécia (2ª Rank Mundial), a Grã Bretanha (6ª Rank Mundial) e Singapura (7ª Rank Mundial). Nesta divisão o trabalho mais difícil dos portugueses será com a Grécia, atual campeã paralímpica (venceu Portugal na final de Londres’2012). Porém desengane-se quem achar que os demais pares são acessíveis. A Grã Bretanha apresenta-se com novos valores de extraordinário nível e a seleção de Singapura, a terceira potência da Ásia logo atrás da Coreia e da Tailândia, apresenta um misto de experiência e de juventude tendo realizado uma enorme aposta para esta sua participação paralímpica.

Os bracarenses José Carlos Macedo e Mário Peixoto, e o portista Armando Costa, entrarão em jogo defrontando a Grã Bretanha pelas 16.40 (hora portuguesa) e Singapura pelas 21.20, do dia 10. No dia 11, jogam com a Grécia (16.30). Apesar de serem apurados os 2 primeiros de cada grupo, Portugal não pode perder qualquer jogo nesta fase, pois, para além da enorme competitividade e equilíbrio que se prevê dentro do grupo, a passagem à fase seguinte determina o acesso direto a meias-finais o que será um enorme passo para poder obter uma medalha.

No grupo A, encontra-se o par Campeão Mundial, e º1 do ranking mundial, (Coreia), os  pares Campeão e Vice Campeão Americano (Brasil e Canadá) e o par Campeão Europeu (Bélgica).

pares-bc3

Em pares BC4, o atleta do SC Braga Domingos Vieira e os atletas do FC Porto Pedro Clara e Carla Oliveira terão uma tarefa hercúlea. Depois de um apuramento muito sofrido, e conseguido graças ao afastamento do 8º país do ranking, a Hungria, por irregularidades com seus atletas, Portugal reassumiu a responsabilidade de estar ao mais alto nível. Porém, o grupo de apuramento conta com Hong Kong (1ª do Rank Mundial), com a Vice-Campeã Europeia (Grã Bretanha) e com a Campeã Europeia (Eslováquia). A favor de Portugal conta a grande forma dos seus atletas, verificada no último open mundial (Póvoa), e o facto de no Europeu Portugal ter quedado na 5ª posição, ou seja ter lutado pelo pódio.

Portugal inicia os jogos desta divisão no dia 10, defrontando a campeã mundial (Hong Kong) pelas 15.00. No mesmo dia, pelas 21.20, defrontará a Grã Bretanha. No dia 11, pelas 15.00 defronta a Eslováquia.

No grupo B, encontram-se o par Campeão Mundial (China), os pares Campeão (Canadá) e Vice-Campeão Americano (Brasil) e a Tailândia que cada vez mais se tem afirmado como uma potência emergente.

Pares BC4.jpg

Na divisão de equipas, Portugal apresenta-se como a 5ª potência mundial. Organizada em séries de 3 países, a competição de equipas apresenta este desafio adicional onde qualquer resvalo representa, quase, a eliminação direta. Integrados no grupo D, Portugal defrontará a Eslováquia (Vice Campeã Europeia) e a Argentina (Campeã Americana).

António Marques, Abílio Valente, Fernando Ferreira e Cristina Gonçalves terão um enorme desafio, que procurarão ultrapassar com o facto de serem uma das equipas mais experientes e conhecedoras da modalidade.

A equipa portuguesa joga pelas 18.10 com a Argentina e às 22.50 com a Eslováquia. No dia 11, caso consiga o apuramento disputará os 1/4 de final.

equipas

A competição colectiva inicia no dia 10 (sábado) e decorre até dia 12 (2ª Feira). Do dia 13 ao dia 16 decorrerá a competição individual.

Eixo estratégico_AR-page-001.jpg

A seguir apresentamos o calendário dos jogos da seleção portuguesa:

calendario-jogos-portugal-rio-2016_horaportugal-page-001-1

De seguida os campeões e medalhas conquistadas na última paralimpíada (Londres’2012), na modalidade de Boccia:

medalhas-londres-2012

medalhario-londres

Bracarenses no Rio’2016

14152134_1058211827590383_187904161_o

Iniciamos, hoje, o acompanhamento dos nossos atletas paralímpicos que estão presentes no Rio’2016. Domingos Vieira, José Carlos Macedo e Mário Peixoto, acompanhados por Paulo Correia, Roberto Mateus e Alberto Peixoto respectivamente, voaram desde Lisboa até à “Cidade Maravilhosa” no passado dia 01 de setembro.

Encontram-se já alojados na vila paralímpica e iniciaram os treinos de adaptação no Carioca Arena. As primeiras impressões revelam alguma preocupação quanto à forma como foram marcados os campos de competição e os de aquecimento, apresentando todos desvios significativos no rolamento das bolas, sendo ainda que se revelaram mais rápidos do que fariam supôr, provavelmente não dos campos mas sim da temperatura extremamente baixa que existe dentro do pavilhão, que pode afetar a performance dos equipamentos. Dos campos já foi dada nota à organização, esperando-se uma ação correctiva o mais breve possível.

13891815_1353670404644882_6899077145717335318_n

O Carioca Arena disporá de 6 campos de competição simultâneos e de campos de aquecimento/treino.

A verificação dos equipamentos será realizada no dia 08 de setembro, da parte da tarde.

De referir ainda que no grupo de apuramento do nosso atleta José Carlos Macedo, não participará o canadiana Paul Gauthier que foi subsituído à última hora pela sua compatriota Marilou Martinau, nº 69 do ranking mundial.